Para cada indicação merecida e momento comemorado, há pelo menos um ponto de discórdia ou polêmica.

As indicações para o Grammy Awards de 2020 foram anunciadas nesta quarta-feira de manhã. Os recém-chegados ao mainstream, Lizzo, Billie Eilish e Lil Nas X, lideraram as nomeações da 62ª cerimônia anual, que será transmitida ao vivo direto do Staples Center em Los Angeles no dia 26 de janeiro de 2020 para todo o mundo.

As veteranas do pop Ariana Grande e Lana Del Rey foram finalmente reconhecidas em grandes categorias pela primeira vez em suas carreiras. O mesmo aconteceu com nomes do hip-hop, com Lil Nas X, 21 Savage, YBN Cordae e outros ganhando destaque na premiação especifica.

Mas como qualquer espectador regular do Grammy sabe, para cada indicação merecida e momento comemorado, há pelo menos um ponto de discórdia ou polêmica. Este ano não foi diferente, e a Recording Academy cometeu alguns erros. Mesmo sabendo que o espaço do hip-hop vem crescendo a cada ano e que isso é muito importante para a cultura de qualquer forma que aconteça, parece que Academia vem focando mais no lado comercial dos indicados do que na qualidade musical dos mesmos.

Continue lendo para ver músicas ou álbuns, em nenhuma ordem específica, que pareciam deslocados na lista de homenageados.

“Talk” de Khalid

“Talk” foi o single principal do segundo álbum de estúdio de Khalid, “Free Spirit”. Como grande parte da música de Khalid, “Talk” não é ruim. Simplesmente não é bom o bastante para uma nomeação.

A gravação do ano tem como objetivo reconhecer a produção inovadora, a vibração, a singularidade – e, embora o Grammy afirme julgar os indicados “sem considerar as vendas ou a posição nas paradas”, tradicionalmente reconhece músicas que ultrapassam os limites da indústria da música, capturam nossa atenção coletiva ou de alguma forma representam o estado atual da cultura.

“Talk” não fez nada disso, então dificilmente merece um aceno em uma das categorias de maior prestígio do Grammy. A faixa é essencialmente um som para listas de reprodução de “vibes de verão” no Spotify.

“Sunflower” de Post Malone e Swae Lee

“Sunflower”, a música da trilha sonora de “Spider-Man: Into The Spider-Verse”, faria todo o sentido como candidato à Melhor Música para Mídia Visual. Em vez disso, foi nomeado para a maior honra que uma música pode receber, Gravação do Ano, ao lado de sucessos que desafiam os gêneros e os limites, como “Old Town Road”, “Truth Hurts” e “7 Rings”.

As músicas feitas para filmes geralmente são consideradas longas para as principais categorias do Grammy, e “Sunflower” não é nem interessante nem culturalmente relevante da mesma maneira que os homenageados anteriores (pense em “All The Stars” de Pantera Negra).

Não está claro por que os Grammys estão tão apaixonados por Post Malone, mas se eles realmente queriam nomeá-lo para algo, “Wow” ou “Circles” teriam feito mais sentido. “Sunflower” não foi a melhor música que ele lançou este ano.

EP 7 de Lil Nas X

“Old Town Road” é ​​um sucesso e merece todos os louros, mas o EP “7” de Lil Nas X não deveria ter sido indicado para o Álbum do Ano. Eu realmente não consigo entender por que os eleitores do Grammys colocariam este projeto no mesmo patamar de álbuns ricos e definidores de carreira que saíram neste ano, apenas no hip-hop podemos citar “i am > i was” de 21 Savage, “IGOR” de Tyler The Creator e “Championships” de Meek Mill.

Ninguém ficaria chateado se Lil Nas X não tivesse sido indicado para o álbum do ano, desde que “Old Town Road” recebesse o devido crédito que merece. “7” nem é um álbum de estúdio, foi um trabalho feito rapidamente, foi uma maneira de provar que Lil Nas não é uma maravilha de penas um hit (missão cumprida: “Panini”, a única outra ótima música do EP, também é um sucesso), e de saciar seus fãs enquanto ele trabalha em seu disco de estréia oficial.

Se o Grammy quis homenagear Lil Nas X por suas inovações que desafiavam o gênero, eles conseguiram com a nomeação de “Old Town Road” para Gravação do Ano e a Melhor Performance de Duo ou Grupo. Até “Panini” foi indicado para Melhor Performance de Rap ou Sung (Rap Cantado).

“Always Remember Us This Way” de “A Star Is Born”

“Shallow” foi com seus méritos o centro das atenções durante a temporada de prêmios de 2018, e por isso não foi elegível para mais Grammys este ano. “Nasce Uma Estrela” teve seu momento. Simplificando, nenhuma das outras músicas da trilha sonora merece estar de volta aos holofotes.

Há uma razão pela qual todos nós seguimos em frente e esquecemos sobre “Always Remember Us This Way”. Talvez porque não seja ótimo ou talvez seja porque “Shallow” era muito bom e a ofuscou, mas de qualquer forma, dificilmente merece uma indicação para Música do Ano.

“Someone You Loved” de Lewis Capaldi

Lewis Capaldi lançou seu álbum de estréia, “Divinely Uninspired to a Hellish Extent”, em maio. Os eleitores do Grammy sempre gostaram de uma balada lenta e melancólica, com vocais robustos: “Hello” de Adele e “Stay With Me”, de Sam Smith, varreram as categorias de melhor performance solo pop, gravação do ano e música do ano.

“Someone You Loved”, de Lewis Capaldi, tecnicamente se encaixa nessa categoria, mas ao contrário dessas músicas, é pecaminosamente monótona. Sim, tem sido a música número 1 nos EUA nas últimas três semanas, mas provavelmente é popular porque soa tão familiar – ou seja, é otimizada para streaming porque reforça as tradições de outros sucessos. Uma balada sem trazer nada de novo ou interessante para a mesa.

“You Need to Calm Down” de Taylor Swift

Das 18 faixas do novo álbum de Taylor Swift, “Lover”, a música “You Need to Calm Down” é uma das piores, perdendo apenas para “Me!” com Brendon Urie. Na verdade, esses dois singles principais são sem dúvida as únicas músicas ruins em toda a lista de faixas.

Felizmente para os fãs da cantora, a faixa principal do disco foi nomeada para a música do ano, mas faz pouco sentido por que uma música pop como “You Need to Calm Down” seria nomeada quando o Grammy não reconheceu Swift pela maior parte de seu trabalho mais merecedor neste ano nas categorias pop.

“Señorita” de Shawn Mendes e Camila Cabello

“Señorita” não teria sido tão bem-sucedida se Shawn Mendes e Camila Cabello não tivessem combinado seu lançamento com uma publicidade muito focada no seu romance e no lado só para adultos de sua relação.

Duas celebridades lindas provocando os fãs sobre o status de seu relacionamento é um truque de relações públicas tão antigo quanto andar para frente, mas a publicidade não torna a música melhor. “Señorita” não é exatamente digna de um Grammy; é apenas mediana.

“No. 6 Collaborations Project” de Ed Sheeran

O disco “No. 6 Collaborations Project” de Ed Sheeran foi anteriormente classificado pelo Insider como o terceiro álbum mais decepcionante do ano. Recheado de participações de alto perfil, ele foi amplamente interpretado como uma tentativa de chamar a atenção e reprodução de rádio sem voz, autenticidade, emoção ou coesão reais.

“Poucos lançamentos têm sido tão transparentes e destinados à onipresença quanto o No. 6”, escreveu Rawiya Kameir para a Pitchfork, “que possui toda a mineração visível de um álbum do Drake, mas muito pouco da elegância ou fluência cultural”.