Capa Jack Sparrow e Johnny Depp Capa Jack Sparrow e Johnny Depp

Aposentada de SP cai em golpe e perde R$208 mil ao acreditar que namora Johnny Depp

A moradora de Osasco alegou ter vendido um carro e uma casa para ajudar o homem que se passava pelo ator

Uma notícia bastante curiosa começou a viralizar na internet nesta quarta-feira (5).  Em uma reportagem do colunista Rogério Gentile e publicada no portal de notícias Uol, foi revelado que uma senhora aposentada de 61 anos deu R$ 208,mil para um homem quem fingia ser o famoso ator norte-americano Johnny Depp. O início do golpe começou em outubro de 2020 quando a mulher, que é moradora de Osasco, começou a conversar com o perfil do ator.

De acordo com a matéria, a mulher disse à Justiça que as conversas começaram sobre “assuntos do cotidiano”, mas, com o tempo, a pessoa que se passava pelo ator passou a contar “uma história triste de que precisava de dinheiro para o pagamento de condenações em processos nos quais ele estava envolvido”. Na época, o ator estava envolvido em uma disputa judicial com Amber Heard, sua ex-mulher, que o acusara de violência doméstica

“Junto com a história triste de não ter dinheiro para pagar as referidas taxas, teve início um ‘romance’ onde começaram as promessas do golpista de levar a autora [do processo] para morar com ele.”, afirmou à Justiça a advogada Eduarda Tosi, que a representa.

De acordo com o processo, a aposentada chegou a realizar uma cirurgia plástica acreditando que iria morar em Los Angeles, nos Estados Unidos. “A pandemia contribuiu para que ela acreditasse em toda mentira contada pelo golpista, haja vista o abalo emocional vivenciado. Ela só procurava uma saída ou mudança de vida”, afirmou.

As conversas com o falso Depp foram interrompidas apenas quando o filho da aposentada a questionou sobre as transferências e descobriu que ela fora vítima de um golpe. A aposentada entrou na Justiça contra o Banco do Brasil, afirmando que a instituição permitiu que um golpista abrisse uma conta fraudulenta, “por falta de manutenção e fiscalização”.