Seguir

Azzy responde após Clara Mendes, CEO da 30PRAUM, revelar busca por ‘Doja Cat brasileira’

Fotos: André Queiroz | Gabriel Brasil

Azzy ressaltou talentos brasileiros e a desvalorização das artistas locais.

Em recente entrevista exclusiva para a Billboard Brasil, Clara Mendes, CEO e co-fundadora da 30PRAUM, mostrou o desejo de contratar uma artista feminina para a gravadora, afirmando que busca a “Doja Cat brasileira”.

Diante disso, Azzy, através de seu perfil no X (antigo Twitter), comentou sobre o assunto. “Essa galera é engraçada. Querem um artista igual os lá de fora, porém, não nos tratam a altura”, escreveu a rapper, atriz, empresária e produtora musical.

“Querem uma ‘Doja Cat’ quando somos de um Brasil que temos Negra Li, Kmila CDD, Drik Barbosa, Tasha & Tracie, N.I.N.A, ONNiKA, Ajuliacosta, MC Luanna… Nos poupem dessas merdas”, pediu a artista de São Gonçalo.

Fotos: André Queiroz | Gabriel Brasil

Na entrevista, Clara também esclareceu a dúvida sobre como funciona o processo de seleção de casting para a 30, que tem apenas três artistas; MatuêTeto WIU. A CEO e co-fundadora indicou que ‘oficialmente’ esses sãos o nomes com quem eles trabalham, mas deixou no ar que algo pode mudar.

“Oficialmente, é o que temos. Mas quem sabe isso não muda em breve?”, disse Clara Mendes, ressaltando que o artista tem que ter talento e a “cabeça no lugar”, pois a gravadora quer construir carreiras a longo prazo e não estrelas instantâneas.

A profissional abordou ainda as dificuldades que as mulheres passam no cenário musical. “Hoje não sofro mais tanto com isso, mas no começo era muito difícil ser levada a sério, principalmente por ter sido casada com o Matheus”, contou.

“Era mais fácil dizer que eu era apenas a mulher dele, e não sócia. Foi difícil conquistar esse respeito, mostrar que meu trabalho falava por mim. Tenho tentado reverter isso contratando mulheres, mandando mulheres para as turnês. Os meninos também pedem por essa diversidade. No entanto, como foi com o rap, estamos só no início”, concluiu Clara.