Com recordes de vendas, CBF cobrará royalties por venda de camisas da seleção da Nike

CBF tem um dos melhores números de vendas da história das camisa da seleção.

A opa do Mundo está vez mais perto. Faltando exatamente 2 meses para o início do mundial. O presidente da CBF (Confederação Brasileira de Futebol), Ednaldo Rodrigues, se mostrou feliz com as informações sobre o grande número de vendas das camisas da seleção brasileira em ano de Copa do Mundo. Os modelos foram muito bem avaliados pelos brasileiros

No mês que vem, o atual presidente vai se reunir pela primeira vez desde que foi eleito para o cargo, em março deste ano, com os dirigentes da Nike, marca multinacional norte-americana e que também é a mais antiga patrocinadora da CBF. Reivindicar o pagamento de uma porcentagem da venda de camisas se tornou um dos itens da pauta,

Entre as 32 seleções classificadas para a Copa do Mundo do Qatar, que terá início em novembro deste ano, a Nike tem contrato de fornecimento de material esportivo com 13. Na última semana, a empresa divulgou oficialmente o desenho dos uniformes que serão usados no torneio pelas equipes, entre elas o Brasil.

No encontro com os executivos da companhia, Ednaldo Rodrigues deverá falar também sobre a introdução no contrato da cláusula anticorrupção, pedida pela Nike. A fornecedora de material esportivo deseja colocá-la no papel após os escândalos com últimos presidentes da confederação. Rodrigues afirma aceitar a ideia e tomar a iniciativa de discuti-la.

Ricardo Teixeira, Marco Polo Del Nero e José Maria Marin foram envolvidos no Fifagate, a investigação de corrupção na Fifa (Federação Internacional de Futebol) feita pelo FBI, a polícia federal dos Estados Unidos. Marin foi preso, e Del Nero poderá ter o mesmo fim se sair do Brasil. Rogério Caboclo acabou afastado da presidência após denúncia de assédio sexual.

Os contratos da Nike com as federações nacionais são sigilosos, mas a CBF tenta descobrir se a empresa paga comissões a outras seleções pela venda de camisas. Mesmo que a empresa não o faça, a reivindicação vai permanecer.