Drake e Kendrick Lamar estão rimando sobre fazer terapia e isso é muito importante

Capa Drake e kendrick lamar

Foto: Getty Images

Seus artistas favoritos estão fazendo rap sobre terapia e isso é muito importante para toda uma geração

Dois grandes rappers da atualidade decidiram rimar sobre como tem sido para eles fazer sessões de terapias com psicólogos, estamos falando dos últimos lançamentos de Drake e Kendrick Lamar. O que pode parecer algo habitual para muitos, é um verdadeiro tabu para outros e isso não é diferente dentro da cultura hip-hop.

Agora, com dois artistas enormes na cena falando abertamente sobre isso, os primeiros passos para quebrar esse tabu foram dados. A Complex publicou um ótimo artigo analisando essas ações recentes de Drizzy e K Dot em suas músicas, e você confere trechos do texto a seguir.

Desde que os rappers começaram a existir, eles rimaram sobre os desafios que enfrentam devido à opressão sistêmica e desigualdades sociopolíticas, superando esses obstáculos por meio de coragem, tenacidade e força mental. Rap é poesia, naturalmente expressivo e profundamente emocional em sua essência.

No entanto, os artistas historicamente têm sido mais inclinados a dissecar o mundo exterior do que a analisar como esses eventos traumáticos e que alteram a vida afetaram sua própria saúde mental. Para alguns, mergulhar muito fundo em seu próprio bem-estar emocional lhe traz o risco de ser considerado “mole” por outros artistas e pela cena em geral.

Fazer terapia, especificamente, é um tópico que muitos artistas evitavam em suas músicas – até recentemente. Um dos exemplos mais visíveis de um rapper superstar abordando a terapia em um álbum foi JAY-Z em 4:44, onde ele enfrentou sua infidelidade, trauma familiar e ego de frente. “Meu terapeuta disse que tive uma recaída”, canta Hov em “Smile”, uma música sobre sua mãe descobrindo sua sexualidade.

Agora, quase cinco anos depois, duas das maiores estrelas do rap falaram abertamente sobre os benefícios de ir à terapia, (Drake em seu verso em “Churchill Downs” de Jack Harlow e Kendrick Lamar em seu novo álbum. Isso representa um grande passo à frente quando se trata de quebrar os estigmas que cercam a saúde mental.

A estrutura temática de Mr. Morale de Kendrick é centrada em sessões de terapia onde ele desvenda momentos cruciais de sua vida que impactaram quem ele é hoje. É preciso coragem para fazer rap sobre essas revelações, especialmente questões como seu vício doentio em sexo, problemas com seu pai e como sua mãe sendo abusada afetou sua própria visão do mundo. Isso tudo, segundo o rapper, o fez ser uma pessoa que não confia em ninguém, não expões seus sentimentos, não lida bem com a fidelidade e muito mais. Mr. Morale não é esmagadoramente esotérico como alguns dos trabalhos anteriores de Kendrick, dando a ele a chance de expor seus problemas em termos simples e revelar como a terapia o ajudou a chegar aqui.

Uma semana antes, na nova música de Jack Harlow, “Churchill Downs”, Drake falou muito sobre ele e o que ele está vivendo. O rapper abre seu verso rimando: “Corações frios e pisos aquecidos/ Sem orientação dos meus pais, eu apenas vejo o divórcio/ Sessão de terapia, estou na sala de espera lendo a Forbes / Problemas de abandono para os quais estou sendo tratado.”

Desde o início de sua carreira, Drake tem sido mais transparente e vulnerável sobre seus problemas do que muitos de seus colegas de rap (tanto que foi rotulado como “mole/suave” no início de sua carreira), mas esse verso marca um momento significativo em que ele aborda diretamente a ajuda ele recebeu da terapia para resolver problemas familiares mais profundos.

Em “Churchill Downs” e até em seu último disco ‘CLB’, Drake explica como ser ‘abandonado’ por seu pai lhe fez ser uma pessoa que sempre acredita que ninguém está comprometido com ele de verdade, seja amorosamente, profissionalmente e até em amizades. O rapper acredita que sempre será abandonado e com isso, na maioria das vezes, não se compromete seriamente com as pessoas.

Kendrick e Drake não são os únicos artistas de hip-hop modernos que discutem tópicos profundamente pessoais em suas músicas, mas por que é tão raro ouvir artistas rimarem sobre questões como descompactar traumas através da terapia? IDK pode ter a resposta. Como o rapper de Maryland disse à Complex: “A vulnerabilidade é realmente a chave para a felicidade – ser capaz de ser vulnerável e falar sobre as coisas. O que atrapalha isso, no entanto, é a vergonha. Se você conseguir superar essa ideia de ter vergonha, perceberá muito rapidamente que mais pessoas se relacionam com seus problemas do que não.”

Alguns dos estigmas mais antigos em torno da terapia derivam da falta de acesso da comunidade negra, periférica e mais pobre a tratamentos práticos de saúde mental ao longo dos anos. Infelizmente, terapia e saúde mental raramente são discutidas em nossa comunidade, devido aos estigmas profundamente arraigados que a cercam.

 

Questões relacionadas à saúde mental persistem nas comunidade mais pobres, mas o conceito de resiliência supera a necessidade de ajuda. Um estudo da Biblioteca Nacional de Medicina dos EUA descobriu que 63%dos negros acreditam que o agravamento das condições de saúde mental é um sinal de fraqueza pessoal. Como diz o rapper IDK: “Acho que o mundo foi feito para que os homens não reclamem de nossos problemas, e estamos sempre cercados por isso. Eu acho que o estigma em torno disso é que, se você expressar como se sente, você sai como um fraco.”

A era de ouro do hip-hop corre paralelamente às epidemias de crack e opioides, e a reabilitação tem sido um tópico no gênero há muito tempo. Ao contrário da maioria das formas de reabilitação, no entanto, não precisa haver nenhum risco imediato à saúde para ir à terapia.

Dado o cânone atual do rap, é mais fácil fazer rap sobre lutar contra um vício magro do que falar abertamente sobre procurar terapia para traumas de infância. Mais pessoas se relacionam com os demônios que derrotaram do que com aqueles que se recusam a reconhecer. Ironicamente, a música é frequentemente descrita como terapêutica por artistas e fãs.

Mr. Morale e USEE4YOURSELF de IDK são ambos terapêuticos de uma forma mais literal. Ambos os projetos refletem alguns dos benefícios de fazer terapia – ajudando você a descobrir eventos de vida desencadeantes e descobrir como essas experiências informaram a pessoa que você é hoje. Uma vez que esses estigmas são derrubados e a dúvida é removida, a terapia revela que todo mundo está passando por algo, mesmo que você não consiga ver por si mesmo.

Não é fácil falar sobre as coisas que Kendrick Lamar, Drake e IDK fazem nesses discos, que milhões de pessoas ouvem (e examinam). É preciso um certo nível de profundidade emocional para colocar algo em uma música que você teria dificuldade em falar em uma conversa normal. Se mais artistas de sua estatura se tornassem profundamente pessoais em sua música e discutissem abertamente os benefícios da terapia, isso poderia fazer uma grande diferença na quebra dos estigmas que cercam a saúde mental em geral.

Um equívoco comum sobre a terapia é que ela lhe dá todas as respostas. Não. O trabalho de um terapeuta não é falar sobre você. O trabalho deles é dar-lhe as chaves para ajudar a destrancar portas que você pode nunca ter notado ou que estava com muito medo de abrir em primeiro lugar. E não há nada de moderno ou divertido nisso. Não é fácil sentar com um completo estranho e discutir coisas sobre as quais você tem dificuldade em falar consigo mesmo, mas vale a pena.

Kendrick Lamar, Drake, IDK e outros rappers e artistas corajosos provaram isso. O caminho para alcançar um estado mental equilibrado é interminável, mas começar a jornada é muito mais benéfico do que se convencer de que não importa. “Acho que a coisa mais importante que recebi [da terapia] é que tudo está conectado”, explicou JAY-Z a Dean Baquet em sua entrevista do New York Times de 2017. “Toda emoção está conectada e vem de algum lugar, e estar ciente disso em [sua] vida cotidiana coloca você em vantagem.”

Se você está procurando um sinal para experimentar a terapia e aprender mais sobre como as experiências da infância informam os hábitos dos adultos, descompactar memórias desconfortáveis ​​ou apenas conversar com alguém sem medo de ser julgado, pode ser isso. Como Kendrick Lamar disse em “Mother I Sober”, “Então eu me libertei de toda a culpa que pensei que tinha”.

Artigo com trechos traduzidos da publicação original da Complex.

Sair da versão mobile