Filipe Ret expõe revolta sobre fake news envolvendo seu nome

Filipe Ret foi alvo de fake news.

O rapper Filipe Ret foi até as redes sociais criticar algumas páginas de rap que divulgaram fake news envolvendo seu nome. Um printscreen que circulava nas redes sociais, mostrava que Filipe Ret tinha feito um tweet sobre as eleições “Único 22 que eu quero, é o 22 cm” dizia o tweet, fazendo alusão ao número de Bolsonaro. Após a fake news viralizar e algumas páginas de rap no instagram publicarem, o artista questionou a credibilidade desas páginas.

“Qual a necessidade de inventar uma postagem dessa sobre mim? qual a credibilidade destas páginas (de rap ainda por cima) que publicam isso sem querer conferir se é fake ou não. Não bastasse a grande mídia contra nós, agora a mídia de rap ta tendo essas atitudes deploráveis? Por que? ” Questionou o artista, com um printscreen da fakenews publicada pela página “Portal de Rap” e “Reels de Rap” no Instagram.

capa
reprodução

Logo depois o artista carioca fez um vídeo para falar sobre o assunto. “e tipo assim, eu tenho quase certeza que isso foi criado por Bolsominion na tentativa de me desmoralizar de alguma forma, não que seja desmoralizante ser homossexual, mas tentando desmoralizar pela forma que está escrito. Lamentável ver páginas de rap repostando isso como se fosse verdade” disse o artista, dizendo também que o ataque deve ter sido feito devido seu apoio a Lula nas eleições.

Antes das eleições, Filipe Ret fez uma entrevista com a Mídia Ninja, onde falou sobre os candidatos.  “O público tem que estudar, buscar se informar, entender quando cada candidato fala aonde ele atinge no seu coração: o seu egoísmo ou o seu lado povo? Atinge nenhum lado? Acho que o Bolsonaro atinge o lado egoísta do seu coração, e o Lula por seu lado atinge o lado povo do seu coração. O lado egoísta todo ser humano tem, mas o lado povo é a grande maioria. O Ciro quando fala, por outro lado, parece que só está falando nele. Fui Cirista na campanha passada, entendo que ele é inteligente e diferenciado, mas parece que ele é meio que contra todo mundo, não cria uma empatia. Então o recado é ver em que ponto do seu coração o candidato toca e como você se identifica com isso. ”