Blue Ivy Carter é filha do casal Jay Z e Beyoncé, ela nasceu em 2012 no dia 7 de janeiro e desde então se tornou uma das crianças mais famosas do mundo graças a seus pais. Uma coisa que poucos sabem é que no mesmo ano, há alguns dias depois, o casal decidiu abrir um pedido para patentear o nome da filha para que outros não o utilizem sem autorização.

Mas parece que isso não deve acontecer. Veronica Morales, proprietária de uma empresa que organiza eventos que também tem o mesmo nome da filha do casal, entrou na disputa para impedir que Jay-Z e Beyoncé retirem seu direto de usar o nome. Ela alega que seu empreendimento existia há três anotes antes do nascimento da primeira filha do casal bilionário e que seu negócio será prejudicado se ela registrar o nome.

Porém, durante esses três anos Morales não havia registrado sua marca. Ela só fez o pedido de registro em 8 de fevereiro de 2012, mais de 1 mês após o nascimento de Blue Ivy, e 12 dias após Beyoncé fazer seu pedido.

Mas mesmo assim Morales conseguiu o registro primeiro, ainda em 2012, provavelmente após comprovar o funcionamento da sua empresa e marca. Desde então, a batalha vem se arrastando mais quatro anos e, nesse tempo, os advogados da cantora tentaram até adicionar o sobrenome Carter ao registro para ver se conseguiriam a aprovação.

Entre os serviços especificados por Beyoncé para proteger o nome estão a comercialização de produtos de beleza, eletrônicos, produtos para bebês, bolsas, chaveiros, canecas, produtos de cabelo, roupas e eventos (o que resultaria em um conflito com a empresa de Morales).

JAY Z E BEYONCÉ QUEREM DE TODOS OS JEITOS CONSEGUIR O REGISTRO.

Porém no começo de 2016, Beyoncé desistiu do pedido depois de diversos problemas, porém hoje soubemos que a empresa de Beyoncé, BGK Trademarks Holding, responsável por administrar os registros da artista, entrou com um novo pedido. Morales já se manifestou e tenta provar que a cantora pretende cometer uma “fraude no serviço de marcas registradas”, segundo os documentos entregues à justiça.

Morales diz que o casal não tem intenção de comercializar produtos com o nome da filha , porém querem registrá-lo “apenas para que ninguém o use”, o que vai contra o regulamento.

Nos documentos, ela  cita a entrevista de Jay Z para a revista Vanity Fair em 2013, quando o rapper foi questionado se planejava lançar uma linha de roupas da filha.

“As pessoas querem fazer produtos com o nome da nossa filha, e você não quer ninguém tentando se beneficiar do nome do seu filho,Primeiro de tudo, é uma criança. E isso me incomoda quando não há limites. Eu venho das ruas, e mesmo para fazer as coisas mais cruéis que fazíamos, nós tínhamos um ditado: nada de crianças ou mulheres – havia respeito. Mas agora não há limites. Alguém pensa: essa pessoa tem um filho, eu vou fazer um carrinho de bebê com o nome daquela criança. Tipo, cadê a humanidade?”, Disse Jay-Z na ocasião.