Kodak Black doa 20 mil dólares para filha de policial que morreu de COVID-19

Capa Kodak black

Foto: reprodução

Kodak Black segue dando exemplo de filantropia

Apesar de seus problemas legais, críticas na internet e comentários polêmicos, Kodak Black é um artista que regularmente reserva tempo para pagar por isso. Ao longo dos anos, noticiamos sobre o rapper da Flórida dando brinquedos para crianças durante a temporada de férias, doando dinheiro para causas que afetam sua comunidade e até mesmo indo de porta em porta nos meses quentes de verão com aparelhos de ar condicionado para bairros carentes.

Agora Kodak está mais uma vez exibindo seus esforços filantrópicos ao doar 20 mil dólares para o filho de uma policial que morreu vítima da COVID-19. A Flórida foi devastada pelo coronavírus durante esta pandemia e, nesta segunda onda, é um dos principais Estados com mais casos. Na semana passada, o CDC declarou que a Flórida tem mais de 20 mil casos, incluindo a policial de Fort Lauderdale, Jennifer Sepot. Relatos afirmam que ela faleceu devido a complicações com o vírus e que deixou vários membros da família, incluindo sua filha de dois anos.

Bradford Cohen, advogado da Kodak Black, conversou com o TMZ sobre a doação. Depois de ler um artigo sobre Sepot, a Kodak teria dito a Cohen: “Pague o fundo da faculdade dessa criança”. Diz-se que Kodak ficou comovido com a história porque ele também foi diagnosticado com COVID-19. Por aproximadamente 10 dias, o rapper experimentou uma série de sintomas, incluindo dificuldade para respirar e dores no corpo.

Portanto, Kodak doou 20 mil dólares para o fundo da faculdade criado para a criança e a Ordem Fraternal da Polícia de Fort Lauderdale emitiu um comunicado ao TMZ.

Eles dizem que são “gratos a todos que doaram para a família Sepot em memória de Jennifer. Sua perda teve um impacto incomensurável e duradouro em nossos oficiais. A generosidade dos apoiadores ofereceu um certo grau de esperança durante um período em que o apoio ao a aplicação da lei parece ser um movimento em declínio”, escreveram.

Sair da versão mobile