Madonna diz que DONDA de Kanye West é o único álbum que a inspirou nos últimos tempos

Capa Madonna e Kanye West

Madonna e Kanye West sempre tiveram uma admiração mútua

Apenas um álbum recente é digno de elogio da Madonna, rainha da música pop: DONDA, de Kanye West, que apresenta os vocais de DaBaby, que foi ‘cancelado’ após seus comentários sobre Homossexuais, HIV e AIDS, no Rolling Loud em julho. Madonna compartilhou seus sentimentos sobre o lançamento de Ye em uma entrevista para a última reportagem de uma famosa revista; Ela disse que de certa forma, ela é capaz de apreciar a arte separada do artista.

“Quer dizer, a única coisa que ouvi recentemente que me inspirou foi o álbum DONDA do Kanye“, disse ela. “Não posso dizer que concordo com toda a sua política e a maneira que ele pensa sobre as mulheres, ou pessoas solteiras fazendo sexo, ou a comunidade gay. Mas seu trabalho está no fio da navalha, é inspirador e raro. Todo mundo estava esperando tanto tempo que seu disco fosse lançado e então, finalmente, quando ele foi lançado, o disco de todo mundo saiu também. E ele ainda se destacou”, falou Madonna.

Foto: @gunnerstahl.us

Madonna e Ye se juntaram anteriormente em “Beat Goes On”, uma música hip-pop funky lançada no álbum Hard Candy de 2008. Desde então, Kanye construiu constantemente uma reputação de renegado graças às suas tentativas questionáveis ​​de entrar na política na corrida para a presidência em 2020, seu apoio vocal a Donald Trump e trabalhar com DaBaby e Marilyn Manson em DONDA depois que este último foi acusado de abuso por mais de uma dúzia de mulheres.

Antes do lançamento de DONDA, a colaboração de Ye em 2020 com DaBaby, um remix de “Nah Nah Nah”, foi retirada de serviços de streaming, incluindo Apple Music, Spotify, Tidal, YouTube Music e Pandora após a polêmica no Rolling Loud.

Durante seu set de 25 de julho no evento, DaBaby aparentemente elogiou os frequentadores de shows por não “chuparem p*u no estacionamento” e por não aparecerem “com HIV, AIDS ou qualquer uma das doenças sexualmente transmissíveis mortais que farão você morrer em duas a três semanas”, entre outras afirmações.

Sair da versão mobile