Merenda sem reajuste faz com que crianças dividam até ovo; Bolsonaro já vetou aumento para 2023

Bolsonaro congelou o reajusta da alimentação das crianças em todo o país

Existem alguns relatos de racionamento e cortes na merenda escolar se multiplicam pelo Brasil. As verbas do Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) não são reajustadas desde o ano de2017 pelo governo federal. No mês passado, o presidente Jair Bolsonaro vetou a correção dos recursos pela inflação, aprovada pelo Congresso.

O valor diário enviado para os Estados e municípios para cada aluno é de R$ 1,07 na creche, R$ 0,53 na pré-escola e R$ 0,36 no fundamental e médio. O restante é colocado pelos Estados e municípios. O que afeta muito no orçamento desses locais.

Crianças recebem um quarto de ovo cozido na merenda em escola infantil de Belo Horizonte – Foto: Redes sociais/Reprodução
Crianças recebem um quarto de ovo cozido na merenda em escola infantil de Belo Horizonte – Foto: Redes sociais/Reprodução

Muitas pessoas afirmam que em alguns Estados, existem denúncias de crianças que dividem um ovo e carimbo para aluno não repetir prato, vetou o reajuste, com correção pela inflação, aprovado pelo Congresso. A justificativa foi que isso poderia drenar verbas de outros programas e estourar o teto de gastos.

Depois, ele não previu reajuste no Projeto de Lei Orçamentária. que inclui feijão e verduras, teve alta de 26,75% de maio de 2021 a maio deste ano. Em “Antes meu filho chegava em casa e não pedia comida. Quando passou a pedir, achei um pouco estranho”, diz o policial Natan Oliveira, pai de um aluno de 2 anos, que continuou.

“Depois que vi as imagens (de pratos quase vazios), entendi que não só ele, mas todas as crianças estavam recebendo menos alimentação do que a quantidade ideal.” falou