MSCHF afirma que tênis “Wavy Baby” de Tyga é um ‘projeto de arte’ em resposta a processo da Vans

Capa Tyga

Foto: Reprodução

A MSCHF afirma que os modelos “Wavy Baby” promovidos pelo Tyga ‘comentam o consumismo, o absurdo da cultura sneakerhead’

Após o recente processo da Vans contra a colaboração da MSCHF com os tênis “Wavy Baby” do rapper Tyga, os advogados de ambas as marcas se reuniram no tribunal federal do Brooklyn na última quarta-feira (17 de abril) para uma audiência de duas horas discutindo se os modelos violam ou não a lei de marcas registradas. O artista de Los Angeles vem divulgando seus novos e interessantes calçados “Waby Baby” nas mídias sociais, mas a Vans tem um problema com o design.

Três dias antes dos modelos serem lançados em 18 de abril, a Vans entrou com o processo alegando que a MSCHF tentou “confundir os consumidores, desviar ilegalmente as vendas da marca e danificar intencionalmente os valiosos direitos de propriedade intelectual da empresa”. Devido à alegação de que a MSCHF está violando os direitos de marca registrada da empresa, a Vans está exigindo uma ordem de restrição imediata para proibir mais vendas.

Foto: Reprdução

De acordo com a Billboard, a advogada da MSCHF, Megan Bannigan, argumentou que os calçados eram uma forma de liberdade de expressão protegida pela Primeira Emenda. Bannigan disse ao juiz: “Esses modelos comentam sobre o consumismo, sobre o absurdo da cultura sneakerhead. Isso foi lançado como um projeto de arte. Não foi lançado em competição com a Vans“.

A advogada da Vans, Lucy Wheatley, argumentou que “a MSCHF é livre para criar arte”, continuando que “os tênis da marca devem seguir as mesmas regras que todas as outras empresas de calçados seguem”. Comparando o design “Wavy Baby” de Tyga com o design “Old Skool” da Vans, Bannigan afirmou: “É ondulado, é instável … e não é algo que você possa facilmente andar de skate”. Ela também acrescentou que quase todos os 4.000 pares de tênis “Wavy Baby” já foram vendidos com a empresa “não tendo planos de vender mais no futuro imediato”.

O juiz distrital dos EUA, William F. Kuntz, expressou dúvidas sobre o argumento da MSCHF de que os calçados representavam obras de arte raras classificadas em museus. “Você está em 4.000”, disse o juiz, referindo-se ao número total de modelos “Wavy Baby” vendidos. “Então você não é exatamente raro no Museu do Brooklyn”. A autoridade se recusou a emitir uma decisão no final da audiência, afirmando que uma decisão sobre a ordem de restrição seria emitida “em pouco tempo”.

Confira abaixo a postagem no Instagram:

 

Sair da versão mobile