Predella afirma que artistas nordestinos dominam o trap nacional

capa trappers nordeste

Predella deu sua opinião sobre o atual momento do trap nacional.

O trap é ainda um gênero recente no mundo da música, mas vem gerando um impacto grande e impulsionando a carreira de diversos artistas lá fora e aqui no Brasil. Combinando o uso de sintetizadores, melodias desalinhadas e novas onomatopeias, ele é uma variação do rap e usa elementos de outros ritmos, como os arranjos da música eletrônica, deixando as músicas mais dançantes.

Muitos artistas vem surgindo nesta cena aqui no Brasil. Donos de diversos hits, os trappers vem influenciando a indústria fonográfica brasileira, principalmente os ouvintes mais jovens. Em sua participação no Podpah Podcast, o maior podcast da atualidade, o rapper Predella, um dos mais antigos e conhecido do país, afirmou que os trappers do nordeste estão tomando a cena de assalto.

@predelladmc011

“O nordeste domina a cena do trap! Os moleques da Recayd fizeram o bagulho estourar no Brasil? Fizeram. Plaqtudum fez virar a chave? Fez… Mas o nordeste domina. A cada mês vem um novo. Primeiro veio o Matuê, depois veio o WIU, depois o Dex, aí tem o Teto. Agora tem Brandão e o Wellison”, disparou o rapper.

Em um cenário em que o rap e o hip hop fortaleciam suas raízes, o trap apareceu como uma mistura de ritmos que começou a ganhar mais espaço. O trap é um subgênero do rap, uma variação que guarda muitos pontos em comum.

O rap nada mais é que a junção do ritmo com a poesia, conduzida por um flow que pode ser mais cadenciado ou rápido e que possui um conjunto mais melódico com a harmonização da parte lírica com a música.

Confira o post abaixo:

Sair da versão mobile