Início Álbuns Tiahac e saiboT falam de amor afrocentrado, autoestima e mais no EP...

Tiahac e saiboT falam de amor afrocentrado, autoestima e mais no EP ‘RAPIDINHA”

22

Casal de rappers fazem um grande trabalho em seu primeiro projeto colaborativo.

Existem momentos em que a vida segue acelerada, deixando assim, por vezes de existir o sentimento de amar ou de como amar. E em um desses momentos, Tiahac e saiboT se unem no primeiro trabalho colaborativo do casal e trazem todas as suas histórias no EP RAPIDINHA.

Abordando temas como amor afrocentrado, autoestima, vida pessoal e negócios de forma intimista, o casal que é idealizador e líder da produtora Terror do Interior, conta com a produção musical de saiboT e Difunto Beats. Vindo também com instrumentais de Joggz Beats, influente produtor da região 022 que já produziu outros artistas como Xamã, Delacruz, Djonga, e Dree Beatmaker, produtor da Papatune Records, e Dree Beatmaker que é membro do coletivo Ademáfia e amigo pessoal do Casal.

Lançada no dia 31 de março, RAPIDINHA traz em cada uma de suas faixas a forma pessoal de como Tiahac e saiboT se veem dentro de um relacionamento afrocentrado, em tempos que o racismo se faz cada vez mais presente e é preciso força e estratégia para saber contornar a situação e continuar a idealizar não só o trabalho, mas também o sentimento de paixão e união para fazer o corre independente acontecer, o casal retrata cada momento que passaram desde que se conheceram.

Tiahac tece em Ramal Pavuna, primeira faixa do EP, o quadro do pós primeiro encontro deixando aquela sensação de quero mais que apenas primeiros encontros podem causar com estética dançante e bastante envolvente. Já em RADAR, saiboT nos leva a a experiência de como o casal estava próximo e distante ao mesmo tempo antes mesmo de se conhecerem.

Neste EP o casal expressa o questionamento sobre auto estima entre artistas independentes e o reflexo que ela tem na relação deles. Mesmo em meio a pandemia, a musicalidade não pode deixar de ser, ao máximo, contextualizada. Todo o trabalho independente dos artistas que de meados de 2018 até 2019 tiveram os shows em rodas culturais e eventos underground do Rio de Janeiro como principal fonte de renda da produtora Terror do Interior, nos mostra o quão importante a cultura é para quem vem empreender dentro da música e enfatiza o porquê de não poder deixar que, em momento algum, possa ser descartado a força de vontade depositada neste trabalho, independentemente de impeditivos acontecerem.

RAPIDINHA nos entrelaça a esperança e ao amor, em meio a tanto caos. Com esta obra, além de estarem abrindo a vida a dois, o casal mostra o quanto o amor entre duas pessoas pretas pode sim ser possível, compreendido e acima de tudo, passar por toda a barreira que possa dificultar a vida. O amor é possível e a parceria existe.

Ficou a curiosidade né? Bora ouvir RAPIDINHA, e se aprofundar nesse trabalho maravilhoso e sentir além das palavras o que ele se propõe a transmitir. Confira o projeto abaixo.