Sérgio Camargo critica Mano Brown e grupos de Rap

Capa Sergio Camargo e Mano Brown

Sérgio Camargo já demonstrou ser contra o rap há anos

Sérgio Camargo, atual presidente da Fundação Cultural Palmares, um dos mais importantes órgãos de promoção e preservação da cultura negra e afro-brasileira, junta dezenas de frases e posicionamentos polêmicos. Deste vez, ele foi para as suas redes sociais criticar o icônico rapper Mano Brown e as linguagens utilizadas no rap e no funk.

“Alguns ‘grupos’ acham que pretos têm que falar português ruim e usar ‘mano’ em todas as frases. Tal ‘cultura’ é reforçada nas letras do rap e do funk. A norma culta não é incompatível com a pele negra. Quem pensa dessa forma é um racista; pretos que se submetem, escravos”, disse Sérgio Camargo no twitter.

Sérgio Camargo também disparou pra cima de Mano Brown, a ascensão da cultura hip-hop no Brasil “Num futuro próximo, o português escorreito de Machado de Assis será visto como um insulto aos manos, preconceito elitista e opressão burguesa. Nesse dia, Mano Brown será eleito imortal e ocupará uma cadeira na Academia Brasileira de Letras”, falou.

Após a repercussão negativa de suas falas, Sérgio insinuou que o líder dos Racionais MC’s se tornou uma espécie de intocável para parte de grupos progressistas. “Agora temos a figura do artista preto perfeito e intocável. Qualquer crítica ou reparo às besteiras que falam o tempo todo são tachados de ofensa a todos os pretos do Brasil. Só faltou combinar comigo.”, disse.

Vale lembrar que Camargo já associou o gênero musical ao crime e uso de drogas ao escrever no Twitter e que os rappers que “enveredam pelo caminho do crime, da apologia das drogas e da putaria, ou se deixam usar como capachos da esquerda, jamais serão contemplados” pelos projetos ligados à Fundação Palmares.

Sair da versão mobile