Baco Exu do Blues e Djonga são alguns dos nomes presentes

Quem está por dentro do mundo do hip-hop sabe que listas elegendo os melhores rappers são comuns em veículos especializados daqui e também mundo afora. Uma novidade, no entanto, foi famoso o site americano de cultura e comportamento Highsnobiety ter publicado na última terça-feira (10) uma lista indicando 10 rappers brasileiros para quem quer entender melhor a cultura hip-hop em outros países do mundo.

Como não poderia ser diferente, os nomes presentes da seleção variam entre expoentes da música e artistas mais consolidados, com muitos discos e agendas de shows em diversos países. Na publicação, ainda há um pequeno resumo sobre a história do rap no Brasil e suas principais características, como por exemplo a mistura formada pela influência americana e o ritmo que só nós brasileiros possuímos.

Se você quer saber quem são os rappers que caíram no gosto do na Highsnobiety, confira a lista a seguir.

Ricon Sapiência

Com quase duas décadas de carreira e 10 anos desde que lançou “Elegância”, seu primeiro single de sucesso, Ricon Sapiência foi o primeiro nome citado pela Highsnobiety. O site definiu o rapper como um artista apreciado por todas as tribos existentes na cultura hip-hop, sendo referência para nomes que vão desde o rap político até o trap.

Além disso, assim como muitos o consideram aqui no Brasil, Ricon foi lembrado como o mais brasileiro dos rappers nacionais, tendo em vista as batidas com a pegada tupiniquim que utiliza em suas músicas. Como faixa essencial para entender a carreira de de Ricon foi sugerida “Ponta de Lança”, single do álbum de 2017 “Galanga Livre”.

+Bolsonaro Bloqueia Coruja BC1 no Twitter após receber críticas do rapper

Baco Exu do Blues

Depois de ter sido notado por Beyoncé e saído vitorioso de uma das principais competições de audiovisual do mundo, a presença de Baco Exu do Blues na lista era mais do que esperada. O rapper e cantor de apenas 23 anos foi lembrado por seus feitos, referências ao R&B e a faixa “Sulicídio”, um de seus maiores sucessos e música considerada uma das melhores do ano de 2016, quando foi lançada.

Highsnobiety foi ainda mais fundo e fez questão de lembrar das polêmicas envolvendo Baco, como a revolta que muitos fãs sentiram ao verem o artista entrar cada vez mais para o mundo do rap comercial, o que, segundo alguns admiradores de seu trabalho, teria tirado a essência de sua arte.

+Baco Exu do Blues revela que escreveu sete músicas em uma noite

Djonga

Falar de rap brasileiro é, em certa medida, falar de Djonga. E foi exatamente isso que a Highsnobiety fez ao colocar o rapper mineiro como o terceiro da lista. O ritmo agressivo e videoclipes com mensagens fortes e provocantes foram citados como exemplos do trabalho realizado por Djonga, que cada vez mais vem se mostrando um dos principais artistas do gênero aqui no Brasil.

O site também chegou a hierarquizar os três álbuns comerciais do rapper, colocando seu mais recente lançamento, “Ladrão”, como o mais fraco de todos, atrás dos elogiados “Heresia”, de 2017, e “O Menino Que Queria Ser Deus”, de 2016.

+Young Thug está devendo quantia expressiva em dinheiro

Yung Buda

Conhecido pelas referências que vão desde batidas de videogames até a cultura japonesa, Yung Buda teve presença garantida na lista. Essa eloquência toda do rapper pode ser vista em muitas de suas músicas, como por exemplo “Autumn Ring Mini”, citada pelo site como um exemplo de todas as coisas que Buda consegue reunir em seu trabalho.

O rapper também recebeu uma série de elogios, segundo a Highsnobiety, sua música é universal e um produto da relação que possui com o mundo em que vive e acompanha por meio de todas as referências presentes em seu trabalho.

+Yung Buda sobre Raffa Moreira: ‘Existem artistas que você nem precisa curtir a música para saber que são fodas

CHS

CHS, quem muitos consideram o futuro do rap, garantiu um lugar na lista e também muitos elogios. O site deixou claro que desde seu tempo no Nectar Gang, grupo carioca de onde saiu, CHS mostrou uma consistência musical pouco vista em artistas do gênero. Seu flow leve e ao mesmo tempo provocante, o coloca como dono de um gênio que é muito bem aproveitado na música, algo visto em muitas de suas faixas.

Seus hits “Pesadelo da Cidade” e “Futura Ex” foram citados como exemplos do que é capaz de fazer enquanto rapper. Além disso, como não poderia ser diferente, o viés político do trabalho primordial que realiza foi lembrado, essência de seu primeiro álbum solo, “CHAOS”, de 2018.

+Willsbife reúne Dalua, Yung Buda, Duzz, Florence e mais no remix de ‘Overdrive’

Mariana Mello

A primeira mulher da lista, Mariana Mello ficou conhecida por muitos após seus trabalhos realizados em 2016, quando chamou a atenção de muitos pela mistura inteligente de letras fortes com batidas melódicas e suaves. Na publicação da Highsnobiety, a rapper também foi lembrada pela similaridade com a cantora M.I.A., em termos de música e estilo, e pelo seu EP “Mariana”, obra que lhe rendeu bons elogios à época do lançamento.

O trap divertido e bonito de “Rosa de Plástico”, seu mais recente single, foi citado como uma prova do talento da rapper na rima, esta que varia entre versos em português e em inglês – uma das principais marcas de seu trabalho.

+Meno Tody diz que usaria Adidas apenas com uma condição

Hot e Oreia

Aqueles que são considerados os “humoristas do rap”, Hot e Oreia são os representantes das duplas de hip-hop na lista. Lembrando toda a repercussão do primeiro álbum dos rappers, “Rap de Mensagem”, a Highsnobiety fez questão de ressaltar o humor autodepreciativo presente nos versos do single “Estilo”, em que dizem: “Rap de Mensagem é um nome horrível / não ouvi, não ouvo e não vejo”.

Entretanto, Hot e Oreia foram citados como pioneiros e uma das duplas mais originais do momento. O som que ambos fazem não é visto em outros artistas e o fato de saberem disso, brincando com a possibilidade de não agradarem o grande público, é o principal triunfo dos dois, que crescem cada vez mais e sem deixar a originalidade de lado.

+Rashid e Dada Yute lançam videoclipe de ‘Todo Dia’

Flora Matos

Famosa desde 2009, quando lançou a mixtape “Flora Matos vs Stereodubs”, a rainha Flora Matos ganhou seu espaço na lista. Uma das mais populares rappers do cenário nacional, a cantora de Brasília foi citada pela Highsnobiety como uma das primeiras mulheres a ir contra a dominância masculina no hip-hop brasileiro e também forte representante da música LGBTQ+ do Brasil.

O site também deixa claro que Flora é muito mais que uma figura política. Suas músicas são exemplos claros de um talento a ser reconhecido no mundo todo, o que pode ser visto em faixas como “Perdendo o Juízo”, “Preta da Quebrada” e muitas outras.

+Show de niLL e Yung Buda na Batalha do Real (RJ) deve ter ingressos esgotados

Akira Presidente

Famoso pelas rimas de improviso e batidas melódicas, Akira Presidente é um dos principais nomes do rap nacional, tornando a decisão da Highsnobiety de colocá-lo na lista mais do que compreensível. Seu mais recente álbum, “Nandi”, lançado há alguns meses, lhe deu ainda mais notoriedade e foi aclamado pela crítica. O site fez questão de citá-lo para mostrar a aptidão do rapper em criar rimas épicas e em um flow admirável.

As referências à cultura japonesa também foram lembradas, algo que pode ser visto já pelo nome do rapper, que é em homenagem ao mangá cyberpunk “Akira”, muito famoso no brasil e no mundo durante a década de 1990.

+Hot e Oreia liberam seu novo álbum de estúdio “Rap de Mensagem”

BK’

A lista da Highsnobiety é fechada por ninguém menos que BK’, rapper que também fez parte do grupo Nectar Gang, ao lado de CHS, JXNV$ e Bril. Em carreira solo desde 2016, BK’ é tido como um dos mais relevantes rappers do momento, algo percebido pelo álbum “Castelos & Ruínas – eleito já em seu lançamento o melhor disco do ano. Desde então, o rapper carioca não parou de trabalhar e fez uma série de músicas hoje consideradas grandes hinos da cultura hip-hop nacional.

O apelo político de suas letras também foi lembrado pelo site, que destacou a música “Take Your Little Vision”, do EP “Antes dos Gigantes Chegarem Vol. 1”, a qual possui versos fortes como “diz que não é racista, mas odeia gente preta / diz que rap é união esperando a próxima treta”.