Seguir

Tay-K é processado por lucrar com suposto assassinato que cometeu

Jovem rapper enfrenta novo processo da família da vítima do suposto assassinato.

Tay-K aqueceu o verão de 2017 com seu single “The Race”. No entanto, os alegados crimes que foram cometidos durante a produção, lançamento e sucesso da música fez Tay-K uma figura polarizadora no hip hop. O rapper está atualmente aguardando julgamento pelo assassinato de Ethan Walker, que ele é acusado de assassinar durante uma invasão domiciliar. Agora, a família de Walker está processando Tay-K por lucrar com seu contrato de gravação em meio a sua suposta onda de crimes.

De acordo com a Star-Telegram, Tay-K está sendo processado por lucrar com os assassinatos em que estaria envolvido. A família de Ethan Walker, bem como o sobrevivente Zachary Beloate estão processando Tay-K, assim como cinco outros réus, incluindo cinco dos seis supostos cúmplices de Tay-K, 88Classics, o proprietário Joshua White e a gerente de Tay-K, Eza Averill.

Eles acusaram o rapper de elevar sua carreira musical com a suposta onda de crimes antes de esconder os lucros de seu contrato com a 88Classics para mantê-lo fora do alcance das vítimas. Ambas as partes estão buscando mais de US$ 1 milhão em danos.

“O princípio por trás deste caso é que as pessoas e as corporações não devem lucrar com crimes violentos contra inocentes”, disse Brian Butcher, advogado dos queixosos. “Taymor McIntyre tornou-se uma ameaça para a sociedade, possivelmente com o incentivo de outros, a fim de promover as vendas de sua música. Eu quero o valor dessas vendas para compensar suas vítimas, não para enriquecer uma gravadora que apóia um bandido menor.”

O processo alega que “McIntyre (Tay-K) foi encorajado e/ou manipulado por seu empresário e pela 88 Classic Records para cometer crimes a fim de promover as vendas de sua música”. Ele continua a dizer: “As transferências foram feitas com a intenção de fraudar os credores e sem McIntyre receber valor razoavelmente equivalente em troca das transferências.”

Os lucros de Tay-K fora da música foram listados em mais de US$ 236 mil em documentos judiciais. O dinheiro foi colocado em uma conta que Joshua White é o gerente. O processo também alegou que a venda do direito de música era uma “transferência fraudulenta de ativos” para evitar a retirada de dinheiro para os credores e os demandantes.

O processo também afirma que o empresário de Tay-K e Joshua White lucraram com a música de Tay-K, “deixando McIntyre com fundos insuficientes para satisfazer as reivindicações dos queixosos.”.