The Weeknd foi supostamente acusado de falsificar números de vendas de ‘Dawn FM’, diz site

Capa The Weeknd

Foto: reprodução

The Weeknd já deixou claro que não está preocupado com as vendas da “Dawn FM”

Dois projetos igualmente incríveis e únicos que vêm acumulando números nas plataformas de streaming desde sua chegada são “Dawn FM” de The Weeknd e “DS4EVER” de Gunna. Inicialmente, parecia que o cantor nascido em Toronto estaria ocupando o primeiro lugar na parada de álbuns da Billboard, mas no final, Wunna saiu no topo, surpreendendo muitos fãs após o enorme sucesso de Weeknd com seu último projeto.

Como o HipHop Lately relata, o disco After Hours de março de 2020 teve uma semana de abertura de 444 mil, enquanto o Dawn FM acumulou apenas 148 mil. Ontem à noite, a Billboard divulgou um comunicado revelando que eles tiveram um atraso depois de encontrar alguns números de vendas ‘suspeitas’. “Em parceria com a Billboard, dados considerados suspeitos e não verificáveis ​​são desqualificados antes do cálculo final. Isso pode causar atrasos na publicação”, uma citação da plataforma compartilhada por @chartdata no Twitter relatou.

Foto: Axelle/Bauer-Griffin/FilmMagic Johnny Nunez/WireImage

DJ Akademiks enviou uma captura de tela do tweet em sua página do Instagram, legendando: “[por que] a Billboard está falando do meu mano The Weeknd como se [ele] estivesse falsificando vendas ou [algo]?” As projeções de vendas da primeira semana previam que o artista de Starboy movimentou aproximadamente 150K – 170K, embora Abel Tesfaye tenha deixado claro que não está preocupado com o sucesso numérico da Dawn FM.

Ao discutir o fato de que nenhuma cópia física de seu novo álbum seria disponibilizada durante a semana de lançamento, ele se explicou dizendo: “isso não importa para mim. O que importa é experimentar o álbum junto com os fãs durante esses tempos”, continuou ele. Recentemente, o artista de 31 anos deu a entender que estamos no meio de uma “nova trilogia”.

Confira abaixo as postagens no Twitter e no Instagram e o vídeo no YouTube:

Sair da versão mobile