YSL de Young Thug está envolvida em mais de 50 crimes de violência armada, afirma promotoria

Capa Young Yhug

Foto: Gabinete do Xerife do Condado de Fulton

Young Thug e Gunna permanecem encarcerados enquanto os promotores montam seu caso contra os hitmakers e seus supostos associados

Enquanto YFN Lucci aguarda a decisão sobre se ele será ou não libertado sob fiança após o caso RICO da YSL, os promotores não estão deixando a gravadora nem seus supostos associados a solta. Temos relatado regularmente sobre o caso em desenvolvimento desde o seu início; Young Thug, Gunna e 26 de seus supostos associados foram nomeados em uma longa lista de acusações e rapidamente foram presos.

Eles permanecem sob custódia enquanto o Gabinete do Procurador Distrital de Justiça constrói seu caso, mas Gunna e Young Thug negaram as acusações contra eles. Lucci teria sido citado na acusação, assim como Lil Wayne, em dois incidentes separados que as autoridades alegaram envolver Thug. O ônibus de Wayne foi atacado em 2015 e, embora Birdman e Thugger tenham sido nomeados pelas autoridades como pessoas que podem estar envolvidas, nenhum deles jamais enfrentou acusações.

Foto: reprodução

Enquanto isso, Lucci teria enfrentado tempos difíceis atrás das grades depois de ser esfaqueado meses atrás. A acusação recente da YSL mostra que dois supostos associados pediram permissão a Thugger para realizar um segundo atentado contra a vida de YFN Lucci, levando a equipe jurídica deste último a solicitar a libertação.

De acordo com um relatório da Complex, a promotora do condado de Fulton, Fani Willis, expôs sobre o caso que está sendo construído contra YSL. “E o que eu e qualquer membro da lei podemos dizer como resultado disso é a violência armada e os assassinatos que ocorreram, provavelmente foram mais de 50 desde 2015 entre essa gangue [YSL] e outras gangues”. Thugger teria reclamado de suas acomodações na prisão, mas o Gabinete do Xerife respondeu mostrando que o rapper não estava em “más condições”.

Confira abaixo as postagens no Instagram e no Twitter:

 

Sair da versão mobile