Cantora ex-Black Eyed Peas diz que culpa do grupo não ser considero negro é de Will.i.am

Will disse que estava “magoado” por eles não serem considerados um “grupo negro”, mas Kimberly Hill disse em um vídeo: “Você quer que a mesma comunidade o valide e você coloca uma garota branca naquele lugar”.

Por décadas, o grupo Black Eyed Peas é uma grande inspiração do Pop-Hip Hop. Eles mudaram de membros ao longo dos anos, mas a maior parte de suas carreiras incluiu will.i.am, Taboo, apl.de.ap e Fergie. Desde a saída de Fergie, o Black Eyed Peas adicionou J. Rey Soul e continuou a se apresentar ao vivo, mas will.i.am recentemente expressou que estava “magoado” pelo quarteto não ser aceito como um “grupo negro”.

“Em 2004, Nós o Black Eyed Peas, apenas estávamos tentando entrar na cena. Quando você pensa tipo: eu sou um cara negro, mas quando você pensa no Black Eyed Peas, nós somos tão grandes que… chegava a doer, ainda dói um pouco não sermos considerados um grupo negro porque nós temos esse grande alcance”, will.i.am disse a Wyclef Jean em Run That Back. “E quando você pensa no Black Eyed Peas, você não pensa – não é mais urbano ou cultura negra, que é … não é bom para a comunidade negra que o Black Eyed Peas não seja visto como um grupo negro porque tivemos sucesso internacional.”

Quando o Black Eyed Peas entrou em cena pela primeira vez, seu quarto membro era Kimberly Hill. Ela falou longamente sobre seu tempo com o grupo e compartilhou anteriormente que decidiu se separar depois que ela foi convidada a se comprometer para se tornar o membro sexy e sensual do grupo e depois de sair, ela foi substituída por Fergie. Kim acessou seu Instagram para divulgar uma declaração sobre os comentários recentes de will.i.am e ela tinha uma disputa com seu amigo de longa data.

“É um pouco insultante isso … Vou falar com você diretamente, Will. Eu te amo. Eu deixei bem claro. Eu deixei bem claro. E apoiei os Peas publicarem minha partida publicamente e em particular,” disse Kim. Ela acrescentou que falou com todos os caras ao longo dos anos. “Não era – não é minha banda. Não é o que eu fazia e isso é totalmente bom.”
No entanto, Kim acrescentou que não é responsabilidade da comunidade negra “celebrar você como uma banda quando você não nos celebrou”. Ela falou sobre seu documentário do New York Times, onde discutiu seu tempo com o grupo e observou que a maioria dos comentários “vêm de mulheres negras que dizem claramente que parece uma mancha cultural”.
“Uma mulher negra participou de algo realmente magnífico e eu não entendo… Entrei para o grupo em 1995”, disse Hill, que mencionou o ano porque na conversa entre will.i.am e Wyclef, fotos do grupo com Fergie foram apresentados. “Eu estava em dois álbuns aclamados pela crítica. Eu co-escrevi, me apresentei em todo o mundo, assim como outra mulher negra, Macy Gray. Como isso sai da conversa? Você está sentado ao lado de Wyclef que também estava lá.”

“Você tem a mesma comunidade que ajudou a construí-lo e foi a base de nossa vinda do movimento Native Tongue para agora mantê-lo no espaço que mantemos Mos Def, De La Soul e Tribe, e Phife que ele descanse em paz, e Slum Village, e todos esses são nossos porque todos nós viajamos com eles”, continuou Hill. “E todos esses irmãos me têm, até hoje, a mais alta consideração e eu não recebo isso de você, não publicamente. E você quer que a mesma comunidade o valide e você coloque uma garota branca naquele lugar.”

Veja o vídeo de Kim Hill dirigido a will.i.am abaixo.

Sair da versão mobile