Sua ex-mulher explicou que o rapper vive com “Earl”, “DMX” e “X” dentro dele.

Ele suportou muito durante seus 49 anos nesta terra, mas DMX perseverou. Ele foi abusado fisicamente pela mãe e pelos namorados dela quando criança, foi expulso da escola e mandado para a casa de um amigo, vagou pelas ruas quando adolescente e, como adulto, lutou contra o vício e o encarceramento.

Não importa seus altos e baixos, DMX é um artista talentoso que os fãs de hip hop continuaram a apoiar, e durante sua entevista no documentário Ruff Ryders Chronicles, o rapper falou sobre ter várias personalidades que o ajudaram ao longo de sua vida.

Em uma parte da entrevista, a pessoa por trás da câmera perguntou a DMX se havia partes de si mesmo que o ajudaram a enfrentar. Antes que ela pudesse terminar sua pergunta, DMX respondeu rapidamente “sim”. Ele acrescentou: “São coisas diferentes, há algumas coisas, algumas pessoas em mim e elas me ajudaram manter minha vida até aqui.” O rapper foi questionado sobre o que ele gostaria que o público soubesse sobre essas diferentes partes de si mesmo. “Eu não gostaria que ninguém soubesse de nada”, respondeu ele.

“Eu não falo sobre eles”, acrescentou DMX. “Você já me fez falar sobre eles. Não.” Em outra parte do documentário, a ex-mulher de DMX, Tashera Simmons, sugeriu que “Earl”, o nome verdadeiro do rapper, é a criança que estava lá antes que seu pai fosse embora e sua mãe “não sabia como lidar com ele”. A personalidade raivosa de “X” foi criada “para proteger Earl”. O artista é “DMX”, que também cuida de “Earl”, mas ele é “muito mais legal”.

“Eles estão lá para me ajudar na vida”, disse DMX antes de se chorar. “Não sei se os fiz ou se Deus os deu para mim, ou talvez as circunstâncias e situações sim.”

Confira o clipe abaixo: