Governo da França lembra população que cocaína não cura o coronavírus

O governo francês interveio para impedir um boato de que a cocaína curava o coronavírus.

Autoridades do governo francês tiveram que lembrar seus cidadãos de que a cocaína não é uma medida preventiva para o novo coronavírus. Com o país vizinho da França, a Itália, recentemente tomando importantes precauções, colocando em quarentena aproximadamente 16 milhões de seus cidadãos, a disseminação da doença COVID-19, que ameaça a vida, em suas fronteiras se tornou uma preocupação crescente para seus cidadãos e consultores oficiais de saúde. O boato original de que a cocaína era uma cura para o coronavírus começou como parte do vazamento de informações falsas no Facebook, que tem um histórico de conter informações falsas.

De acordo com o Politifact, o post do Facebook apareceu na internet em 30 de janeiro e mostrava uma foto do narcótico altamente viciante e uma manchete que dizia “Cocaína mata o coronavírus” e “Os cientistas ficam chocados ao descobrir que esta droga pode combater o vírus”. Como de costume, as informações falsas chegaram a diferentes plataformas de mídia social e influenciaram alguns cidadãos franceses que a cocaína poderia realmente ser usada para impedir a contratação do COVID-19.

Apesar de a postagem ter sido sinalizada por espalhar informações perigosamente falsas que poderiam afetar a saúde de milhões de pessoas, o Ministério de Assuntos Sociais e Saúde de Paris, na França, precisou fazer uma declaração para garantir a segurança dos cidadãos do país. Um funcionário do Ministério foi ao Twitter para anunciar em uma declaração curta e concisa que se traduz em: “Não, a cocaína NÃO protege contra a COVID-19. É uma droga viciante que causa efeitos colaterais graves e é prejudicial à saúde das pessoas.”

Com grandes empresas e produtores de eventos públicos tomando precauções contra o coronavírus, poderíamos ter que assistir a nossos eventos esportivos no conforto de nossas casas em estádios vazios e adiar grandes eventos até que a doença seja oficialmente contida. É extremamente imprudente e perigoso espalhar informações falsas sobre a COVID-19. Especialmente no que diz respeito ao uso nocivo de drogas, o que poderia levar a complicações de saúde adicionais nesses tempos já preocupantes.

Sair da versão mobile