Legista causa revolta ao defender policial e dizer no tribunal que George Floyd morreu de doença cardiaca

O julgamento de Derek Chauvin, o ex-policial de Minneapolis acusado pela morte de George Floyd, está agora em sua terceira semana.

Floyd, um homem negro de 46 anos, morreu em 25 de maio de 2020 depois que Chauvin, que é branco, colocou o joelho em seu pescoço. O incidente gerou protestos em todo o país contra o racismo e a brutalidade policial, e agora Chauvin enfrenta acusações de homicídio culposo, homicídio em segundo grau e homicídio em terceiro grau.

David Fowler, o ex-legista-chefe do estado de Maryland, testemunhou em defesa, dando sua opinião sobre a causa da morte de George Floyd. Fowler está sendo processado pela família de Anton Black , um jovem de 19 anos de Maryland que foi morto durante um encontro com a polícia que tem semelhanças com o caso de Floyd. Black morreu sob custódia policial em 2018 com imagens de vídeo mostrando Black em uma luta com policiais e, eventualmente, sendo preso por eles. Fowler declarou a morte de Black um acidente decorrente de “morte cardíaca súbita” e nenhum policial foi implicado.

Quer receber notícias do Rap Mais em primeira mão? Acesse nosso canal no Telegram clicando aqui e faça parte da nossa comunidade!

Na quarta-feira, Fowler disse que sua opinião profissional é que Floyd morreu de “arritmia cardíaca súbita” enquanto era contido pela polícia devido, em parte, a sua doença cardíaca. Ele também citou outros fatores contribuintes, incluindo metanfetamina e fentanil no sistema de Floyd e exposição ao monóxido de carbono do escapamento de uma viatura próxima.

A doença cardíaca hipertensiva, disse Fowler, pode causar um coração dilatado, que tem que trabalhar mais em situações que envolvem muito esforço. “Quanto mais o indivíduo está estressado, tanto físico quanto de outra forma, mais a demanda sobre o coração vai aumentar”, disse Fowler .

Sobre o posicionamento do joelho de Chauvin, Fowler disse não ter achado que o ex-oficial impactou quaisquer “estruturas vitais” do pescoço de Floyd. Ao revisar o caso, Fowler indicou que não viu ferimentos visíveis, como hematomas, no pescoço de Floyd ou nas costas, onde Chauvin colocou seu joelho. “Isso mostra que a quantidade de força aplicada ao Sr. Floyd foi menos do que suficiente para machucá-lo”, disse ele. Quanto à forma de morte de Floyd, Fowler disse que a considera “indeterminada” devido aos múltiplos fatores em jogo, incluindo saúde pessoal e descobertas de toxicologia.

Durante o interrogatório, o promotor Jerry Blackwell questionou Fowler sobre o monóxido de carbono, perguntando se ele já tinha visto um relatório de uma lesão ligada à inalação de monóxido de carbono. Fowler disse “Não”, mas indicou que o teste nunca foi feito. Blackwell questionou a experiência de Fowler, perguntando se ele era um toxicologista, pneumologista ou cardiologista. Fowler, um patologista forense, disse “Não” a todas as três perguntas.

A promotoria também perguntou se o peso de vários policiais no abdômen de um indivíduo poderia resultar em “asfixia por compressão ou posicional”. “Se exceder os limites de 100kg conforme encontrado por vários estudos, então sim, seu argumento está correto”, disse Fowler.

What do you think?

Written by Felipe

Produtor Mu540 fala sobre a importância e valorização dos produtores

Fã que invadiu mansão de Eminem para matá-lo deve pegar pena maior de prisão após promotoria reunir novas provas