Seguir

Liniker se torna a primeira mulher trans a receber título de Imortal na Academia Brasileira de Cultura

Além de Liniker, nomes como Daniela Mercury, Alcione, Vanessa Giácomo, Beth Goulart e Margareth Menezes também foram eleitas imortais.

Na memorável noite de terça-feira, 14 de novembro, a música e a cultura brasileira testemunharam um marco histórico. Liniker, a renomada cantora, foi oficialmente empossada na cadeira de número 51 da Academia Brasileira de Cultura (ABC), sucedendo a incomparável Elza Soares.

Este evento não é apenas um momento de orgulho para Liniker, mas um avanço significativo na representatividade e inclusão na cultura brasileira, pois ela se torna a primeira mulher trans a ser agraciada com o título de imortal.

Foto: Divulgação/Tim Music Rio

A cerimônia, realizada no Rio de Janeiro, foi um misto de emoção e celebração. Em um discurso tocante, Liniker destacou a luta e a força necessárias para se destacar como uma travesti preta no Brasil. Ela salientou a importância de sua posse na ABC, considerando-a um marco fundamental para a cultura do país e um avanço na promoção da diversidade e excelência.

“Estar em pé no Brasil, sendo uma travesti preta, é muito difícil. Ser a primeira vez que uma travesti é empossada na Academia Brasileira de Cultura é muito importante e é fundamental pra cultura do nosso país, que abre esse mapa de diversidade e excelência”

A voz por trás do sucesso “Indigo Borboleta Anil” também enfatizou que a honraria recebida não deve ser vista como um feito isolado. Ela apontou para a necessidade de constante atualização e progresso, afirmando que seu empossamento na Academia não pode e não deve ser um evento isolado, mas um ponto de partida para mais inclusão e representatividade na cultura brasileira.

Liniker, com sua trajetória única e voz poderosa, não apenas abre caminhos na música, mas também na história cultural do Brasil, inspirando muitos a seguirem seus passos. Seu discurso, que pode ser assistido online, ressoa não apenas como um eco de sua jornada pessoal, mas como um chamado à ação para uma sociedade mais inclusiva e diversificada.