Marcelo D2, que tem 52 anos atualmente, começou a fazer rap com 23, com BNegão, Rafael Crespo, Skunk, Formigão e Bacalhau, sendo um dos percussores movimento em prol da legalização da maconha, com seu grupo “Planet Hemp” que ficou bastante famoso no final dos anos 90′ e início dos anos 2000.

D2, em uma entrevista com a Marie Claire, respondeu a juventude que está na onda de fazer o tal “rap conservador”: “Não pode, porra. Isso não é rap, é um tiro no pé. Faço rap há 25 anos e os caras agora tão fazendo uma merda dessas? Eu não sei quem tá fazendo, mas pelo amor de Deus! Rap tem a ver com discurso, e discurso de opressor no rap não pode, Pode botar ai: D2 proibiu vocês”. Lembrando que o rap é a arma para fazer criticas à sociedade e ao governo.

Em notícias relacionadas, D2 revela também não gostar de rap acústico, segundo ele “O Brasil tem essa tendência: sertanejo universitário, forró universitário, mais ou menos igual esse rap acústico. Eu costumo separar as coisas entre cultura e entretenimento. Eu não quero nem entrar na disputa do que é melhor ou pior, mas é diferente. E eu tento ficar no lado da cultura o máximo possível”.