Morte de Tupac nunca foi um mistério, segundo diretor de documentário sobre o crime

Assassinato de Tupac voltou à tona após a polícia de Las Vegas realizar apreensão na casa de Keefe D.

O assassinato do rapper Tupac Shakur permanece sem solução mais de duas décadas depois de ocorrido, mas o diretor Allen Huges, responsável pela série “Dear Mama”, afirma que a identidade de seu assassino sempre foi clara para aqueles que realmente conheciam o falecido rapper. O caso voltou à tona na semana passada.

A investigação de assassinato do rapper voltou às manchetes quando a polícia de Las Vegas executou um mandado de busca em uma casa em conexão com a morte do artista, e foi revelado que Duane “Keefe D” Davis é quem os policiais estão investigando. A revista aconteceu na segunda-feira passada (17), em um bairro na cidade.

Capa Tupac
Foto: Instagram

Na última quarta-feira (19), o cineasta se juntou à jornalista Linsey Davis, da ABC News, para conversar sobre o enigma de várias décadas em torno da morte de Tupac e os esforços renovados em sua investigação. Considerando que um culpado ainda não foi oficialmente acusado, Hughes disse que nunca houve dúvidas sobre quem foi o responsável pelo crime.

“Na comunidade, como sabemos, e nas ruas, nunca houve mistério sobre quem matou Tupac”, disse ele. “Sempre foi sobre a aplicação da lei de Las Vegas encerrar o caso sobre isso”, apontou. Orlando Anderson, um criminoso de Compton, entrou em uma briga com Pac e sua comitiva na noite de 7 de setembro de 1996 no saguão do MGM Grand após a luta de boxe Bruce Seldon x Mike Tyson, por alegações de que ele havia roubado a corrente de um afiliado Death Row Records. Horas depois, o rapper foi baleado várias vezes

O diretor da série “Dear Mama” esclareceu: “O que aconteceu naquela noite no MGM Grand Casino e aquele incidente violento que Tupac e sua gangue tiveram com aquele indivíduo – novamente, aquele cara, todo mundo sabe, voltou e atirou em Pac”.

O assassinato de 1996 está sendo investigado mais uma vez, com a polícia de Las Vegas recentemente apreendendo vários itens que podem levar a acusações. Na semana passada, as autoridades executaram um mandado de busca em uma casa em Henderson, Nevada, como parte da investigação de homicídio há muito adormecida sobre a morte do ícone do rap.

De acordo com a ABC News, a polícia recuperou vários itens durante a busca na propriedade, incluindo computadores, discos rígidos e artigos de revistas. Eles também recuperaram fotos da década de 1990 de indivíduos que poderiam estar conectados a pessoas direta ou indiretamente envolvidas no tiroteio, bem como cópias do livro de Davis de 2019, Compton Street Legend  no qual ele fala sobre o assassinato de Tupac.

Botão Voltar ao topo