niLL revela curiosidades das faixas do seu novo álbum “O Resgate do Maestro”

Álbum disponível no último mês nas plataformas digitais já conta com mais de 500k de plays.

O novo álbum do MC e produtor niLL, O Resgate do Maestro conta a história de um robô que chega à Terra para explorar as emoções de seus habitantes, misturando a música com um mundo fantasioso. A concepção do robô como personagem, que representa todo o projeto do álbum, desde a identidade visual até a sonoridade, como responsável pelo resgate cultural da música através dos alto-falantes que o caracterizam, é o início de uma ideia de niLL para ser trabalhada em série.

Em um trabalho que integra música e arte gráfica, feito em parceria com o artista Cosmar, a identidade visual explora ferramentas de modelagem 3D misturadas a cenários do mundo real. Nas 12 faixas, niLL retrata a busca por sentimentos e conexões humanas, descrevendo cenários em beats de artistas convidados como Lossio, Bonbap, Pedro Gabriel, MC Luanna, e Duda Raupp.

Jovem rapper Nill cria empatia com seu primeiro disco, 'Regina' - Estadão

Vem saber um pouco mais sobre as faixas e algumas curiosidades de O Resgate do Maestro:

3.0

3.0 apresenta Maestro, começando a sua missão, através da sonoridade de introdução, que passa a sensação de que estamos presenciando o início de algo importante.

Curiosidades:

A maior novidade na faixa é niLL tocando baixo. “Estou estudando baixo. Já estou aplicando ele nas músicas”. Com produção musical de Duda Raupp e as linhas de violino levaram 6 horas para ser gravadas pelo Mbeatzz.

A faixa teve a participação do Amiri, que é xará de niLL (os dois se chamam David/Davi). “A gente compartilha o mesmo nome, já vem criando uma amizade faz tempo, além de ser meu rapper favorito, então é uma faixa muito significativa”.

O nome 3.0 é uma referência a idade atual de niLL: “tenho trinta anos, então, acho legal colocar o nome da faixa com alguns acontecimentos pra gente meio que anotar a linha do tempo assim, saca?”.

SONY:

O sample único com a introdução do PlayStation 1 é não só um protesto ao materialismo da sociedade, mas também um incentivo à busca pelas conquistas: “Muitos falavam em dinheiro, o que importa é poder tê-lo”.

Curiosidades:

O sample com a abertura do PlayStation 1 é inédito. “Isso que é louco, ninguém fez um som com com a abertura do Play 1 no mundo, tá ligado? Parei pra pesquisar, fui olhar. As pessoas usaram o do Play 2,que é mais fácil de manusear”.

“Esse aí é o que eu tenho mais orgulho e é o que deixa o disco à frente de todos os álbuns do Brasil: tem um beat que é exclusivo no mundo.

O QUE SERIA DE NÓS?

Produzida pela dupla Deekapz, a faixa remete de forma esperançosa e leve ao fim da pandemia. Vemos Maestro refletindo sobre como seriam suas relações em nosso mundo.

Curiosidade:

Essa faixa abre uma sequência que se complementa em sonoridade e temática, com as três próximas músicas.

MANGA E MAÇÃ

Com o toque do beatmaker Lossio, a faixa retoma o tom de esperança e trata do otimismo de se estar junto, com a casa cheia, a leveza das companhias de pessoas amadas.

Curiosidades:

Muita gente questiona se o nome da música é “Mangá e Maçã”. niLL explica e passa a receita:

“Não, é manga e maçã, porque é uma mistura, né? Corta um pedacinho de manga, corta um pedacinho de maçã, mistura num pote, come de manhã, toma água, isso daí é o manual da vida eterna, pra você fazer o elixir da saúde”.

18 HORAS DE LUZ

A faixa relembra o período em que estivemos em lockdown, ao falar de sentimentos muito vivenciados nesta fase, como saudade de outros tempos e lugares, de distâncias e conexões a serem (re)construídas.

MAESTRO

Fechando a primeira parte da jornada do robô e a sequência iniciada em O Que Seria de Nós?, a faixa prepara o ambiente para a segunda parte do álbum. Beat contínuo e repetições curtas na letra retratam a sensação de perda e melancolia.

OMINIPOTENCE

Com beat charmoso, que reúne baixo pulsante e sax estrelado, Ominipotence fala sobre amor próprio e a importância de amar o que faz, o que já conquistou. Nesta etapa do álbum, Maestro parece já entender de forma mais madura os sentimentos e as relações.

Curiosidades:

Ominipotence é um poder que uma personagem de Boruto “EIDA”, ela tem a capacidade de mudar sua percepção, trocar o que é visto. “Tipo assim, se você viu um quadro que é branco, a hora que ela usar essa omnipotência, você vai ver esse quadro preto. Você vê uma pessoa ali, uma mulher, ela usou a omnipotência, na sua percepção se verá um homem”.

A voz doce de Aura, do 2:22, no refrão, acabou ilustrando na música esse efeito. “Ele tem essa voz diferenciada. E aí alguns amigos acharam que era uma mulher, normal acontecer isso com pessoas que não tem muito conhecimento na música. Então foi bem legal a gente ter escolhido esse nome pra essa música, porque fez total sentido”.

MEIA MILHA

Parceria com MC Luanna, Meia Milha é uma afirmação de protesto diante da amarga realidade enquanto pessoa preta, que mesmo tendo condições financeiras e ascensão social, ainda é alvo do racismo.

Curiosidades:

Também produzida por Deekapz, a faixa mostra a criatividade de niLL, que usa referências dos games para falar de temas como racismo, desigualdade social, marginalização: “se nos deram nível hard, trouxemos memory card (item utilizado no playstation 1 e 2 para salvar o progresso no jogo)”.

ZERO ZERO 7

Na faixa instrumental, que funciona como interlúdio ambientalizador, niLL vem resgatando o house, gênero que nasceu negro e foi perdendo a identificação até os dias atuais.

Curiosidade:

O som ficou tão bom no instrumental, que niLL descartou a possibilidade de incluir vocais, com medo de “estragar”. “Ninguém poderia cantar nela, nem me atrevi a colocar voz nela”.

SOL

A parceria com Bonbap traz forte sonoridade nordestina, com direito a rabeca e triângulo, em ritmo de baião, fazendo uma crítica aparentemente sutil, porém potente, ao governo durante a pandemia. A letra recorda a fome, o descaso e a subversão de valores da humanidade durante o período.

Curiosidades:

A música parece inspirada na obra de Chico Science – e é mesmo. “Fui estudar muito Chico Science para poder escrever essa faixa”, conta niLL, que quase não usou o beat criado por Bonbap, mas felizmente mudou de ideia.

Quando a faixa foi escrita, Bolsonaro estava no poder, e a letra reflete muito de como niLL via essa época, politicamente: “o poste tá mijando no cachorro, a banana tá comendo macaco, então tava tudo meio ao contrário no meu ponto de vista”.

CITY HUNTERS

Com Jota Ghetto e James Ventura, City Hunters aborda mazelas sociais bem tradicionais do rap, como a vida no gueto, violência urbana e policial, drogas e miséria. Maestro conhece os sentimentos provocados por essas situações, como a raiva.

Curiosidades:

O sample é do anime Hunter X Hunter, um dos preferidos de niLL. “A trilha sonora é incrível, então peguei um pedaço dela, coloquei uma bateria mais golden era e parece que deu certo, todo mundo tá gostando dessa música!”.

Esse foi o primeiro beat que niLL tocou e gravou a linha de baixo, algo que deu um toque especial no fim da produção.

SIMPLES

Com uma pegada clubber, a faixa fala de amor, intimidade e desafios cotidianos das relações. O robô está disposto a amar, mas lidando com isso com a mesma impaciência e com as dúvidas que vivenciamos. É um encerramento com sonoridade sensual e intimista da primeira saga de Maestro na Terra.