Promotor admite estar se sentindo mal pela condenação do ex-policial que matou George Floyd

Ele expressa simpatia pelo “réu” e diz sobre a fase de condenação: “É importante que ajamos com justiça, não de forma vingativa”.

O veredicto de culpado foi proferido no caso do assassinato de George Floyd e agora o público aguarda sua sentença. O mundo terá que esperar até 16 de junho para saber o destino de Chauvin na prisão, mas o promotor principal em seu caso espera que o oficial não receba uma sentença que não se enquadre em suas acusações. O procurador-geral de Minnesota, Keith Ellison, sentou-se recentemente com o 60 Minutes para discutir o assassinato de Geroge Floyd e o subsequente julgamento contra o ex-oficial Chauvin.

Durante a conversa, Ellison compartilhou que está grato pela maneira como as coisas aconteceram, mas mostrou simpatia por Chauvin. Ele foi questionado sobre quais foram seus primeiros pensamentos quando soube do veredicto. “Gratidão. Humildade seguida por uma certa sensação de, direi, satisfação”, disse ele. “Passei dezesseis anos como advogado de defesa criminal, então devo admitir que me senti um pouco mal pelo réu. Acho que ele merecia ser condenado, mas ele é um ser humano.”

O anfitrião ficou surpreso ao ouvir “uma nota de compaixão” de Ellison por Chauvin. “Não estou de forma alguma vacilando em minha responsabilidade, mas espero que nunca esqueçamos que as pessoas que são réus em nosso sistema de justiça criminal são seres humanos. São pessoas. Quer dizer, George Floyd era um humano sendo.”

Em uma entrevista separada para o TODAY, Ellison declarou: “É importante para nós agirmos com justiça, não vingativamente”, ao falar sobre a sentença de Chauvin. Ellison expressou que esperava que o juiz não proferisse uma sentença pesada que não correspondesse à condenação, a fim de fazer de Chauvin um exemplo.