Rapper da Bad Bay Records reencontra Diddy após passar 8 anos na prisão

284

Loon, que mudou seu nome para Amir Junaid Muhadith após se converter ao Islã, foi libertado da prisão em julho.

O ex-rapper do Bad Boy, Loon, se encontrou com um velho amigo no fim de semana, depois de passar oito anos atrás das grades. No domingo (20 de setembro), o nativo do Harlem postou fotos sorridentes dele se reunindo com Diddy em sua casa em Los Angeles, Califórnia.

A reconexão demorou muito tempo devido a uma desavença entre eles ao longo dos anos. Apesar de seus problemas anteriores, Loon está evidentemente deixando tudo para trás por causa do amor fraternal que eles têm um pelo outro.

“Nem tudo é o que parece”, Loon escreveu no Instagram. “Depois de tudo que passamos, o amor não pode ser negado. Nós viajamos pelo mundo juntos, ganhamos milhões juntos e às vezes nem sempre concordamos, mas por Deus, se eu não tivesse experimentado as coisas que passamos, não teria me tornado o homem que sou hoje!”

Loon, que mudou seu nome para Amir Junaid Muhadith após se converter ao Islã, foi libertado da prisão em julho. Ele foi preso na Bélgica por tráfico de heroína em 2011. Um ano depois, ele se confessou culpado de uma acusação de conspiração para distribuir e portar com intenção de distribuir um quilo ou mais de heroína.

O homem agora com 45 anos foi condenado a 14 anos com quatro anos de liberdade supervisionada, mas o juiz distrital Terrence Boyle concedeu uma libertação antecipada devido à pandemia de coronavírus, afirmando que era uma “razão extraordinária e convincente” e ele não foi considerado um perigo para a sociedade.

Após sua liberdade, Diddy comentou em um post na conta do Instagram do The Shade Room dizendo a Loon para entrar em contato com ele. “Deus é grande”, disse ele. “Bem-vindo a casa. Me ligue, Rei. Amor.”

Loon é mais conhecido por seus versos em “I Need a Girl (Part One)” e “I Need a Girl (Part Two)” de Diddy , que alcançaram os números 2 e 4 na parada Billboard Hot 100, respectivamente. Seu maior sucesso solo foi “Down for Me”, de 2003, com Mario Winans, que alcançou a 24ª posição, antes de deixar o selo Bad Boy em 2004.