Seguir

Richarlison critica o uso da camisa da seleção brasileira como símbolo político

Jogador da seleção brasileira disse que quer mudar isso.

O atacante do Tottenham e da Seleção Brasileira, Richarlison, fez algumas críticas à associação política da camisa amarela do Brasil. Em uma entrevista pós-jogo após perder por 2 a 0 para o Sporting, pela Champions League, o jogador disse que como representante brasileiro no exterior, tenta levar uma imagem de identificação com o país ao resto do mundo.

“Hoje em dia, o pessoal leva muito para o lado político. Isso faz a gente perder a identidade da camisa e da bandeira amarela. Acho importante que eu, como jogador, torcedor e brasileiro, tente levar essa identificação para todo o mundo. É importante reconhecer que a gente é brasileiro, tem sangue brasileiro, e levar isso” disse o jogador.

Lucas Figueiredo

Nos últimos anos a camisa amarela da seleção foi bastante usada por apoiadores do presidente Jair Bolsonaro (PL), fazendo com que muitas pessoas deixassem de usar a camisa para não serem associadas ao presidente. Essa não é a primeira vez que Richarlison fala sobre assuntos fora do mundo da bola, e ele acredita que esses temas devem ser sempre abordados pelos jogadores.

“Quando tiver uma causa importante, eu sempre vou botar a cara, ainda mais jogando na seleção e na Inglaterra. Eu tenho essa visibilidade e sei que as autoridades olharão com carinho”, disse ele em uma coletiva de imprensa da seleção brasileira, em novembro do ano passado.

Desde o lançamento da nova camisa do Brasil para a Copa do Mundo no Catar, a CBF e Nike tentam ‘despolitizar’ a camisa amarela. O rapper Djonga foi um dos grandes nomes que participaram da campanha de marketing da marca, que tentam dissociar a camisa da Seleção do presidente Jair Bolsonaro (PL), candidato à reeleição.

Nas redes sociais, fãs do cantor e torcedores da seleção brasileira mostraram que a ação de marketing funcionou. Eufóricos, vários afirmaram que agora poderiam “ser felizes” e comprar a nova camisa. Um dos momentos mais marcantes do Djonga falando isso foi em um show no Mineirão. “Com essa camisa aqui é mais gostoso de ouvir vocês gritando (“Fora, Bolsonaro”), porque os caras acham que tudo é deles. Eles se apropriam do tema família, eles se apropriam do nosso hino, eles se apropriam de tudo, mas é o seguinte, é tudo nosso, e nada deles“, disparou Djonga.