Royce da 5’9" fala sobre comentários de Lil Wayne sobre o racismo: ‘Quando o negro é famoso desde cedo, ele fica aleijado"

Royce lembrou dos comentários de Lil Wayne em 2016.

Lil Wayne é famoso há muito tempo. Seu estrelato, no entanto, às vezes fez o rapper parecer fora de contato com a vida cotidiana de seus ouvintes. Ao falar com Ebro Darden, Royce da 5’9″ toca nesse conceito ao tentar explicar os comentários Weezy sobre o racismo.

” Cash Money, eles assinaram o acordo em 1997″, afirmou Royce. “De lá para cá, eles entraram com bilhões de dólares no prédio da Universal. Você não pode me dizer que pensa que a Universal tem protegido Lil Wayne.” diz Royce, indicando que o motivo está por trás da fama de Lil Wayne desde criança. O nativo de Detroit passou a destacar as questões legais de Wayne como prova de que o rapper nada mais é do que um cifrão dispensável para a gravadora.

“Lil Wayne, eu ouvi de sua boca em uma entrevista que racismo não existe. Ser famoso cedo para um negro, deixa ele aleijado”, ele continuou. “Meu irmão, você vai para a prisão pela segunda vez. Na primeira vez que você foi para a prisão, você foi, pois, tinha uma arma no ônibus da turnê, que nem estava com você. Isso é racismo, Lil Wayne.”

Caso você não se lembre, Lil Wayne sentou-se com a ‘Nightline’ em 2016, no auge do movimento Vidas Negras Importam. Quando questionado sobre o conceito, Wayne soltou em uma frase de efeito, agora infame, que criticou a existência de racismo.

“Não sei se você colocou um nome nisso. Não é um nome, não é ‘tanto faz’, é alguém que levou um tiro de um policial por um motivo de merda… Eu sou um jovem negro, filho da puta rico….”, disse Wayne. “Não me sinto conectado a nada que não tenha nada a ver comigo … Estou conectado a esta bandeira. Sou um gangbanger, senhora.”

Wayne também declarou publicamente que um policial branco salvou sua vida quando ele tinha 12 anos. Esse oficial, o deputado Robert Hoobler do Gabinete do Xerife da Paróquia de Jefferson, foi demitido em 2012 por dar uma punhalada ilegal em um homem negro, Leron Anderson. Ele também lançou calúnias racistas contra Anderson durante o incidente.