Na semana passada eu me apresentei, apresentei a coluna, a proposta de coluna e prometi que escreveria um pouco sobre a cena do interior do Rio de Janeiro. Sendo assim, trouxe a vocês um pouco do trampo do Fernando Kep, diretamente das ruas 022.

Fernando Kep tem 21 anos, é natural de Macaé, interior do Rio de Janeiro e exerce a função de mestre de cerimônias, compositor e multiplicador da cultura Hip Hop. Iniciou no hip hop aos 13 anos, em 2009, como grafiteiro e, após descobrir o freestyle presente nas Rodas Culturais de Macaé, sentiu necessidade de começar a rimar também.

Em 2012, Kep foi chamado para fazer parte do coletivo Pés Descalços. Ainda em 2012, foi campeão da Batalha do Real no Meeting Of Favela (MOF), o maior evento de grafite voluntário do mundo. Em 2013, Kep decidiu parar de grafitar e se dedicar unicamente ao RAP e assim iniciou, junto com alguns amigos, o Rap da Ponte, a maior Roda Cultural ativa do interior do Estado do Rio de Janeiro.

Em Setembro de 2017, Kep lançou o seu primeiro single e clipe, intitulado “Singular ou Plural”, produzido pela Correria Mídia, também de Macaé. Confira abaixo-:

Quantos faz de conta tu viveu? / Quantos “abre as pontas” cê fumou? / Quantos fecha as portas tu presenciou? / ou se alguma oportunidade apareceu? / A estrada longa, é tempo demais para errar / Fazer o certo é relativo quando nada está certo, e quem que acertou?

Além de “Singular ou Plural”, Kep disponibilizou, no primeiro dia do ano, o single “Casa Vazia”, onde fala sobre seus sonhos e sobre problemas sociais. O audiovisual ficou por conta de Piquira Barreto.

Quem não é perito em si? / Esse orgulho nos lombra / e esse senso de quem sonha é passado / o futuro é inesperado, improvável e testado.

No último dia 14, Kep lançou uma cypher juntamente com Douglas DG, KR e saiboT o single “Corrida de gente grande“, representando a EndolaREC.

 

Para acompanhar os trabalhos de Kep, se inscrevam em seu canal e no da EndolaREC.