Seguir

Alerj veta homenagem a Ludmilla e cantora rebate

A cantora Ludmilla entende a relevância que tem e continuará sua luta

O prêmio de Cidadania, Direito e Respeito à Diversidade foi negado pela ALERJ na última terça-feira (14), por 24 votos a 17. Alan Lopes, deputado do PL, ironizou a homenagem citando os versos da cantora nas músicas Socadona e Verdinha. Afirmando que o PSOL teve seu voto positivo, a deputada Renata Souza comentou nas redes sociais: “Vergonha! Nas justificativas, tentaram criminalizá-la. É lamentável. A Ludmilla mandou avisar: machistas, racistas e lgbtfóbicos não passarão”.

Marina do MST, deputada do PT, também opinou sobre o negado projeto iniciado em março de 2022, com autoria da ex-deputada Rejane, do PCdoB: “Tarde infeliz aqui na ALERJ. Uma descortesia que jamais a calará. Ficou feio não para ela, mas para eles. #SomosTodosLudmilla”.

 

Em seu perfil no Twitter, a cantora nascida em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, desabafou: “Tô eu aqui na calmaria de uns dias de folga e meu nome, para variar, circulando por aí. Sinal de que a relevância do meu trabalho está grande. Após ganhar um Grammy, um grande reconhecimento no exterior por conta da minha música, que faço com muito amor.”

“É uma pena que a Assembleia Legislativa do meu Estado não reconheça o meu trabalho e luta, paciência. E para a deputada Verônica Lima, meu agradecimento por respeitar a mim e a minha arte, por tentar fazer com que as pessoas entendam a realidade da maior parte da população do RJ. Fico muito feliz em ver que temos representantes sérios como a senhora. Vamos continuar firmes na luta pelas mulheres, pelos pretos e pelas minorias”, finalizou Ludmilla.

Nas últimas semanas, a artista revelou num print de conversa com a sua irmã que gastou mais de 130 mil reais em ingressos para comparecer à Renaissance World Tour, do mais novo álbum de Beyoncé. “Trabalhei para isso, minha casa e eu serviremos a você. Te amo. Vou te ver sete vezes, linda, por enquanto”, disse a cantora brasileira.