Caso Mac Miller: Traficante diz que não sabia o que havia nas pílulas que vendeu ao rapper

Capa Mac Miller

Foto : reprodução

Dois dos três homens envolvidos no tráfico de drogas que matou Mac Miller se declararam culpados

A morte de Mac Miller no início de setembro de 2018 abalou o mundo do hip-hop. Como um usuário de drogas declarado, a morte de Mac devido a overdose misturada com álcool deixou uma ferida na comunidade do rap que ainda não foi curada. Logo foi revelado que as pílulas que mataram Mac estavam misturadas com fentanil. Os fornecedores das pílulas já foram identificados e seus processos judiciais começaram no outono americano.

No início de novembro, dois dos três fornecedores envolvidos, Ryan Michael Reavis e Stephen Andrew Walter, haviam se declarado culpados de crimes de distribuição de fentanil. O terceiro fornecedor, Cameron James Pettit, que vendeu diretamente as pílulas “azuis” para Mac Miller, ainda tem seu caso pendente. Durante uma audiência no tribunal nos últimos dias, Stephen Andrew Walter afirmou não saber que os comprimidos continham fentanil, embora os promotores discordassem.

Foto: Jamie McCarthy / Getty Images

“Fui acusado de vender comprimidos azuis, pequenos comprimidos azuis falsificados de oxicontin… e não sabia” Eu não sabia o que havia neles. Eu não sabia, tipo, que fentanil estava nele. Mas eu digo, sim, que ajudei e encorajei a transação. Eu nunca me encontrei com Mac Miller antes. Eu só conversei com Cameron James Pettit. Eu não sabia quais eram suas intenções com os comprimidos. Depois que ele viu Ryan Reavis, eu não sabia o que ele faria com eles”.

Walter forneceu os comprimidos a Ryan Michael Reavis, que os forneceu a Cameron James Pettit para vender a Mac. Quando questionado se ele queria mudar sua confissão de inocente para culpado, Reavis confirmou: “Sim, obrigado”. O TMZ relata que Reavis forneceu comprimidos de oxicodona falsificados misturados com fentanil a Cameron James Pettit, o traficante que os vendeu a Mac Miller. Ele morreu dois dias após a compra.

As sentenças de Walter e Reavis ocorrerão em 7 de março de 2022 e 4 de abril de 2022, respectivamente, pois ambos podem pegar no mínimo 20 anos de prisão, uma vida inteira de libertação supervisionada e uma multa de US$ 1 milhão. O destino do principal fornecedor de Pettit ainda não foi determinado.

Sair da versão mobile