Pop Smoke
Pop Smoke

A polícia de Nova York revelou que Pop Smoke se recusou a cooperar com eles.

Antes de se tornar uma estrela por si só, e colocar a cena do Brooklyn no mainstream, o próprio Pop Smoke estava lidando com alguns problemas legais. Segundo o New York Post, o Departamento de Polícia de Nova York o perseguiu o rapper fortemente nos meses que levaram à morte de Pop Smoke. Aparentemente, eles estavam pressionando o artista para divulgar detalhes sobre os tiroteios no Brooklyn e informações sobre membros de gangues.

O rapper foi interrogado inicialmente pelo NYPD após sua prisão por um Rolls-Royce roubado, embora isso tenha levado os agentes a perguntar ao rapper sobre informações sobre um tiroteio não fatal em junho de 2019. Os investigadores disseram que o rapper foi visto dirigindo um carro perto da cena do crime. É claro que, com uma música como “Snitching” em seu álbum póstumo, não precisa ser muito inteligente para deduzir que Pop Smoke negou cooperar com eles.

“Qualquer conversa com Pop sobre cooperação foi muito curta. É algo que ele nunca iria gostar de fazer”, disse Peter Frankel, advogado de Pop Smoke. A polícia estava tentando convencer Pop a fornecer informações sobre os membros do 823 Crips do Brooklyn. Aparentemente, depois que Pop se recusou a dar informações à polícia, foi quando ele foi atingido por uma acusação federal. Frankel disse que isso provavelmente foi feito para pressionar o Pop Smoke a caguetar.

“Eles esperavam que a força da acusação federal o convencesse a cooperar – se reunir e falar com eles”, acrescentou Frankel. “Não é incomum o governo federal se envolver em uma investigação quando acredita que isso os ajudará de uma maneira que uma acusação de um tribunal estadual pode não ser capaz de fazer”.